sábado, 5 de agosto de 2017

Golpe no Brasil: Indo à direita


                                                                Marcos Oliveira/Agência Senado

Leandro Monerato

Estranhamente, a nova fase do golpe - em que o imperialismo e a direita iniciaram um ataque em regra para derrubar Temer e liquidar o PMDB tal como ele existe, em que o arbítrio, a censura, o terror estatal contra trabalhadores da cidade e do campo se expande - deu margem a uma espécie de euforia eleitoral na esquerda. 

Numa época em que o Exército avança sobre as ruas e a maior liderança operária do país é condenada pelo capacho norte-americano Moro (imagem), parte da esquerda decidiu fechar os olhos para o golpe e continuar a vida normalmente como se nada houvesse ocorrido. 

No bojo deste pântano oportunista, há uma ideia que circula questionando a vigência do perigo fascista. O fato dos coxinhas terem saído das ruas desde o impeachment seria base para esta ideia. 
Contudo, a dificuldade em que o golpe se encontra para derrubar Temer por dentro do regime político, está obrigando o imperialismo a dar novo impulso ao movimento fascista que se desenvolve, desde 2010, com a reorganização da Ação Integralista Brasileira (AIB), e que, em junho de 2013, vai ganhar cartão verde da Globo para atacar nas ruas o movimento pelo passe livre.

A permanência do PSDB no governo Temer, detonou uma ruptura de Miguel Reale Jr. e companhia com o partido. No dia seguinte, a CBN (Sistema Globo de Rádio) lhe deu mais de 30 minutos em rede nacional para propagandear o início de um movimento apartidário afim de “moralizar a política”. Miguel Reale Jr. não leva apenas o nome do principal intelectual do integralismo, seu pai, mas é uma das principais figuras do fascismo brasileiro hoje. 

Ao romper com PSDB gritando a sete cantos a falência de todo o regime, com aplausos da Globo, ele mostra até onde vai a disposição dos golpistas. 

O Estadão, por sua vez, voltou a fazer campanha em defesa da proposta de Eduardo Bolsonaro de tornar crime a apologia do comunismo. A proposta foi apresentada no ano passado e tem o objetivo de alterar as Leis Antirracismo e Anti-terrorismo para punir quem fizer “apologia” do regime com penas que podem chegar a até 30 anos de reclusão. 

Segundo o Estadão o projeto está “parado na CCJ desde junho de 2016”. Ou seja, quando finalmente o golpe se prepara para prender Lula, o jornal fundamental da burguesia brasileira já indica a necessidade de avançar, o próximo passo é criar as condições para liquidar com toda a esquerda do país. 

O cálculo é que a derrubada de Temer é uma operação de risco e que pode dar margem a um novo impulso à esquerda antigolpista. Mas os fatos acima indicam que não estão se detendo diante dos obstáculos, muito pelo contrário. Cada obstáculo que o golpe encontra, obriga-o ir aumentando a agressividade de seus métodos para avançar. 

O Exército já tem sido mobilizado desde o começo do ano e vai se tornando árbitro da situação nacional. Criam-se leis para proibir a existência de qualquer oposição. E se os métodos normais de repressão não derem conta do recado, milícias fascistas deverão estar prontas para reprimir o movimento operário. 

Não poderemos nos surpreender se num curto período, o fascismo reaparecer não mais como um movimento amorfo de verde-amarelos, mas um grupo organizado de com-bate. A Frente Nacionalista criada em 2015 não deixou de existir, mas saiu de cena para fortalecer seus efetivos de pitbulls. Melhor não esperar ver para crer.

(Com o Diário Liberdade. Os artigos publicados neste espaço não representam, necessariamente, a

posição este colunista. José Carlos Alexandre)

Um comentário:

  1. Partidos políticos acordados com organizações internacionais para financiar ditaduras pela América Latina devem ser FECHADOS, seus integrantes devem ser BANIDOS da vida publica e seus líderes devem ser presos por crimes "lesa pátria". É o que tem de acontecer com o PCB e os demais partidos do foro de São Paulo!

    ResponderExcluir