quinta-feira, 5 de abril de 2018

I have a dream too (Eu também tenho um sonho: um país onde todos os trabalhadores sejam protagonistas. José Carlos Alexandre, 50 anos depois de Martin Luther King Jr.)


Em Fortaleza o II Congresso Nacional da Unidade Classista


Biblioteca Comunitária recebe doação de acervo de Luiz Carlos Prestes



Biblioteca da UFSCar  recebe acervo de Luiz Carlos Prestes. São livros e objetos que pertenceram ao líder revolucionário brasileiro

Adriana Arruda - Publicado em 04-04-2018

No mês de março, a Biblioteca Comunitária (BCo) da UFSCar recebeu a doação de arquivos do acervo de Luiz Carlos Prestes, militar e político brasileiro que comandou a revolucionária marcha Coluna Prestes entre os anos de 1925 e 1927. 

Para tanto, no dia 19 de março, a BCo recebeu a visita de Anita Prestes, filha do militar com a militante comunista judia Olga Benário. Chegaram na Universidade mais de 360 pacotes, que contêm livros pertencentes a Prestes, bem como documentações e correspondências de amigos e familiares, fotos, quadros, medalhas e outros objetos pessoais do político.

O intuito é organizar o material e disponibilizá-lo na BCo para a consulta de pessoas interessadas. "Este é um acervo histórico muito rico para pesquisas, sobretudo para historiadores, sociólogos e outros pesquisadores que estudam a temática do comunismo. Teremos na UFSCar uma fonte riquíssima a ser explorada por esses pesquisadores", ressalta Izabel da Mota Franco, bibliotecária do Departamento de Coleções de Obras Raras e Especiais (DeCORE) da BCo.

Franco conta que todos os objetos recebidos estão etiquetados e separados por períodos - pré-prisão, prisão e pós-prisão. "Neste primeiro momento, nós cuidaremos dos livros, para disponibilizá-los à consulta de todas as pessoas interessadas. Para isso, já iniciamos o processo de análise de cada obra, que possivelmente passarão por higienização e pequenos reparos. Além disso, as que necessitarem serão encaminhadas para restauro, seguido de catalogação no sistema da Biblioteca", informa Franco. Segundo a bibliotecária, os livros pertencentes a Prestes devem estar disponíveis para consulta da população a partir do segundo semestre de 2018.

Em seguida, a equipe da BCo pretende disponibilizar os demais objetos de Prestes para a montagem de um minimuseu, iniciativa que deve atrair não só pesquisadores, mas também a comunidade local, para visitas. "O intuito é mostrar curiosidades de Prestes e, consequentemente, elementos e conteúdos que fazem parte da história brasileira, sobretudo à comunidade de São Carlos e região", relata a bibliotecária. Os materiais pertencentes a Luiz Carlos Prestes estarão disponíveis no Piso 5 da BCo, localizada na área Norte do Campus São Carlos da UFSCar.

Luiz Carlos Prestes

Luiz Carlos Prestes foi um militar e político brasileiro, casado com a militante comunista judia alemã Olga Benário. Além de comandar a Coluna Prestes, foi líder do Partido Comunista Brasileiro (PCB) por mais de 50 anos. 

Em 1936, o político foi preso, juntamente com Olga, que estava grávida de Anita à época e acabou sendo entregue a agentes do governo nazista alemão. Prestes foi uma das figuras da América Latina mais perseguidas do século XX.

(Com Prestes a Ressurgir)

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Enfim o Memorial de Direitos Humanos na sede do ex-DOPS

                                                                       


Lançamento do Memorial de Direitos Humanos e Audiência Pública na ALMG sobre o Relatório Final da Covemg acontecem na próxima quarta-feira, dia 4, às  9h e às 15h, no Palácio da Liberdade .



A pauta da "Memória e Verdade" marca os dois eventos que ocorrerão na quarta-feira, dia 04 de abril, em Belo Horizonte


Às 9:30h, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais - ALMG, por requerimento da Comissão de Direitos Humanos, realiza uma Audiência Pública para debater as recomendações contidas no Relatório Final da Comissão da Verdade em Minas Gerais, dirigidas ao Legislativo Mineiro. Serão apresentadas e discutidas as formas de encaminhamento e processamento para que estas recomendações sejam concretizadas.


Às 15 horas, o Governador Fernando Pimentel lançará o Memorial de Direitos Humanos - Casa da Liberdade, no Palácio da Liberdade (entrada pela Av. Cristovão Colombo). Os interessados devem confirmar presença pelos telefones 39159200 e 39159196 ou enviar mensagem para cerimonial@governo.mg.gov.br. O Memorial estará sediado no prédio do antigo Dops, na Av. Afonso Pena.



É esperada a participação daqueles que lutaram contra a ditadura militar e que hoje lutam por um Brasil livre, democrático e soberano.


José Carlos Alexandre         News

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

PBH DECIDE HOJE CRIAÇÃO DE MUSEU NO ANTIGO DOPS. Muito bem. Que o Conselho faça sua tarefa. Eu por mim acho que está passando da hora de se aplicar o que diz a lei assinada pelo ex-governador Itamar Franco que transforma o prédio em um Memorial dos Direitos Humanos, com as mesmas funções a que se propõe o Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural de Belo Horizonte. Quem foi ao ato cívico final comemorativo da Lei da Anistia viu com que ênfase defendi, durante o ato em frente ao DOPS, o cumprimento da lei 13448, de 10 de janeiro de 2000. Veja novamente o texto da lei neste espaço
                                                              


O Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural de Belo Horizonte analisa na tarde desta quarta-feira (16) o pedido de tombamento do antigo prédio do Departamento de Ordem Política e Social (Dops-MG), um dos principais centros de repressão política do regime militar (1964-1985). Atualmente, no local, funciona o Departamento de Investigações Antidrogas da Polícia Civil, na avenida Afonso Pena, bairro Funcionários, região Centro-Sul da capital.

Essa é uma bandeira antiga dos movimentos ligados aos direitos humanos, que defendem, além do tombamento, a criação no prédio de um centro destinado à preservação e divulgação dos fatos históricos relacionados com os abusos praticados por agentes públicos naquele período.

O presidente da Comissão da Verdade da Ordem dos Advogados do Brasil, seção Minas Gerais. Márcio Santiago, comemora a possibilidade de tombamento. “A iniciativa municipal é muito louvável, mas fica agora a preocupação do que será feito desse prédio”, enfatizou. 

Criação do Memorial de Direitos Humanos

"Lei 13448 2000 de 10/01/2000 - Cria o Memorial de Direitos Humanos

O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome, sanciono a seguinte lei:

Art. 1o. -Fica criado o Memorial de Direitos Humanos de Minas Gerai, que se destia à guarda e exposição de material que se refira ou se vincule ao esforço de defesa e preservaçao dos direitos da pessoa humana.

Art.2o. -Integram o Memorial de que trata esta lei documentos, fotos, gravuras, relatos gravados e demais matérias relacionadas à defesa e preservação dos direitos humanos.

Art. 3o. - Compete à Secretaria de Estado da Justiça e de Direitos Humanos:

I - promover e divulgar o Memorial de Direitos Humanos;

II- exercer a guarda permanente do acervo do Memorial;

III- manter cadastro centralizado e atualizado do acervo;

IV - garantir o acesso do público ao acervo, para consulta.

Art.4o. - É necessário a todos os cidadãos o acesso ao acervo sob a guarda do Memorial, observada a legislação sobre a matéria, notadamente a Lei Federal no. 8.159, de 8 de janeiro de 1991.

Art. 5o. - A documentação constante nos arquivos do Departamento de Ordem Política e Social-DOPS-, extinto pelo art. 15 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição do Estado,transferida para o Arquivo Mineiro pela Lei no. 10.360, de 27 de dezembro de 1990, passa a integrar o acervo do Memorial.

Art. 6o. - Fica declarado patrimônio histórico estadual o acervo do Memorial, que se instalará, em Belo Horizonte, no prédio ocupado pelo extinto DOPS.

Art. 7o. - Para a elaboração do projeto do Memorial de que trata esta lei, será constituída comissão de trabalho composta por representantes dos seguintes órgãos e entidades, nomeados pelo Governador do Estado:

I - um representante da Secretaria de Estado de Governo;

II - um representante da Secretaria de Estado da Justiça e de Direitos Humanos;

III- um representante da Secretaria de Estado da Cultura;

IV - um representante do Conselho Estadual de Direitos Humanos;

V - um representante da Comissão de Direitos Humanos da Assembléia Legislativa de Minas Gerais

VI - três representantes de entidades civis de defesa de direitos humanos de notória atividade no campo de defesa dos direitos civis e políticos, com representação no Estado.

Parágrafo único- A comissão mencionada no "caput "deste artigo terá o prazo de noventa dias contados da data de publicação desta lei para a elaboração do projeto do Memorial.

Art. 8o. - As despesas decorrentes da aplicação do disposto nesta lei correrão ã custa de dotações consignadas no orçamento da Secretaria da Justiça e e Direitos Humanos.

Art.9o. - Esta lei entra em vigor na data da sua publicação.

Art. 10o. - Revogam-se as disposições em contrário."

Postado por José Carlos Alexandre às 11:54    
Um comentário :

 Betinho Duarte disse...

DATA HISTÓRICA
Hoje, dia 16 de outubro de 2013.
O CONSELHO DELIBERATIVO DO PATRIMÔNIO CULTURAL DO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE APROVOU POR UNANIMIDADE O TOMBAMENTO DO PRÉDIO DO EX DOPS . A relatora , Juliana Gonzaga Jayme , deu um parecer excelente. Além dos conselheiros fizeram uso da palavra; Regina Lacerda , Betinho Duarte, Bizoca e Márcio Santiago.
Manifestei como ex preso político e fiz uma abordagem rápida em oito tópicos:
1- Manifestar meu apoio ao tombamento e a criação de um espaço de memória;
2- No DOPS eram praticadas todas as arbitrariedades tais como:prisões sem mandato judicial, sequestros, torturas , ameaças e extorsões.
3- Nenhum torturador foi punido apesar de TORTURA SER CONSIDERADA COMO CRIME DE LESA HUMANIDADE,IMPRESCRITIVEL e INAFIANÇAVEL;
4- Milhares de pessoas foram presas independente de motivação política ou não;
5-Minha primeira prisão foi em 14 de maio de 1968 durante uma passeata. Quando cheguei na cela do DOPS o atual deputado Nilmário Miranda e mais dois companheiros já estavam presos;
6- As leis referentes ao ex DOPS não foram cumpridas;
7 - Este ano fazem 40 anos dos assassinatos e desaparecimentos de militantes políticos . São mais de 70 sendo que sete de Minas Gerais;
8- Em 29 de abri de 2013 o Ministério Público Federal de Minas Gerais enviou cartas ao Sr. Leônidas José de Oliveira , Presidente do Conselho Deliberativo do Patrimônio Cultural do Município de Belo Horizonte,solicitando a agilização do processo de tombamento do ex DOPS. Esta carta foi assinada por mim e várias entidades .

Todos nós que lutamos há anos como também os conselheiros entram para a história de Minas e do Brasil.

16 de outubro de 2013 13:48  




domingo, 1 de abril de 2018

Unidade Classista condena repressão do governo Pimentel aos trabalhadores da educação em greve

                                                                        
A corrente sindical Unidade Classista (UC) vem a público repudiar com veemência a ação repressora da Polícia de Minas Gerais, que a mando do governador Fernando Pimentel (PT), reprimiu com demasiada violência e brutalidade a manifestação dos professores, que estão em greve desde o dia 8 de março e cobram do governador Fernando Pimentel o pagamento do Piso Salarial e do 13º salário, o cumprimento dos acordos assinados, o fim do parcelamento dos salários, Instituto de Previdência dos Servidores do Estados de Minas Gerais (IPSEMG) de qualidade e nomeações de concurso público.

Seguindo o calendário de lutas definido pela greve, os educadores se manifestavam na BR 381, em Igarapé, quando foram agredidos pela PM com balas de borracha, bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo.

Neste sentido, repudiamos a escalada de violência por parte do Estado e do Governo Pimentel contra as organizações de trabalhadores, reiteramos a nossa irrestrita solidariedade para com os educadores do Estado de Minas, que a exemplo dos educadores de São Paulo, sabem que a única maneira de impedir a retirada de seus direitos é a luta. Também convocamos a categoria a manter a greve e massificá-la até que consigamos impor através da luta uma fragorosa derrota ao governo social-liberal de Fernando Pimentel.

Os professores estão na rua, Pimentel a culpa é sua!

Nenhum direito a menos, rumo a novas conquistas!

Unidade Classista.
Belo Horizonte
28/03/2018

http://www.sindutemg.org.br/novosite/conteudo.php?MENU=1&LISTA=detalhe&ID=9917

O encontro entre Kim Jong un e Xi Jinping


sábado, 31 de março de 2018

Vitória de todos os democratas: o prédio do DOPS, antigo centro de terror,se transforma em Memorial de Direitos Humanos

                                                                     
                                José Carlos Alexandre em ato em frente ao DOPS: sua transformação em Memorial da Anista, como previsto em lei

Jose Carlos Alexandre

A concretização do Memorial da Anista na sede do ex-DOPS tornou-se para  mim quase uma

obsessão.

Durante todo meu mandato no Conselho Estadual de Defesa dos Direitos Humanos, volta e meia

colocava a questão em plenário, apesar de alguns entraves...

Parecia que havia um certo temor de se levar adiante a lei do tempo do ex-governador Itamar

Franco-lei número 13448, de 10 de janeiro de 2000- e que tinha o CONED como um de seus

criadores.

Louve-se a atitude do governador Fernando Pimentel-um dos ex-presos políticos da ditadura cívico-

militar- em tornar realidade uma aspiração de todos os que zelam para que a democracia brasileira só

possa ser afirmada  e que nunca mais haja retrocesso.

Uma vitória maiúscula alcançada por todo o povo mineiro que deverá lutar por sua conservação,

e para se levar para lá arquivos até agora desconhecidos, ali entregando medalhas aos melhores

cidadãos que se destacarem na área de direitos humanos, servindo de suporte a estudantes e

historiadores, promoção de intercâmbios.


Só duas vezes fui ao DOPS. A primeira, como dirigente do antigo PSB, à época da renúncia do ex-

presidente Jânio Quadros.

Para que os delegados liberassem um aparelho de som apreendido na  sede do partido, na

Afonso Pena, próximo à esquina com Caetés.

A segunda e última no dia em que libertaram o ex-presidente do Sindicato dos Mineiros de Nova

Lima, ex-deputado José Gomes Pimenta.

Fiz  matéria que saiu no mesmo dia, no Diário da Tarde onde trabalhei mais de 40 anos.

Fiquei impressionado com o local, um porão que me pareceu estreito e meio

sinistro estavam Dazinho  e outros presos políticos que nunca deveriam parar lá.


Em toda a minha vida profissional e política a defesa dos direitos humanos sempre esteve em

primeiro lugar e a construção do Memorial na antiga sede do  DOPS.

Com o ex-vereador Betinho Duarte cheguei a participar de ato em frente à antiga repartição

de tortura pedindo o cumprimento da lei transformando-a no Memorial.


Saudações ao governador e ao seu secretário de Direitos Humanos, Nilmário Miranda.

Eles entram para a história diante deste gesto de grande brasilidade.

(O Memorial será criado dia 4, às 15h, no Palácio da Liberdade.)